sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Ao papai, com carinho


Há 35 anos um jornalista e advogado mineiro era preso, nas proximidades do antigo Jardim Zoológico, em Vila Isabel, Rio de Janeiro. Marxista, membro do comitê central do PCB, estava clandestino, procurado que era pela repressão da ditadura militar. Teve seus direitos políticos cassados, viveu de 1964 a 1975 longe da família. Nós o vimos pouquíssimas vezes. É um entre os quase 200 desaparecidos políticos deste país, vítima da tortura.
Faço essa homenagem simples a ele que, enquanto vivo, me ensinou que devemos lutar contra a desigualdade social, pela inclusão, pela liberdade. Liberdade que ele exercia em casa, sem impor sua ideologia a qualquer um dos filhos. Valeu, pai!

Um comentário:

Claudia disse...

Linda e carinhosa homenagem!

Beijão com saudades!